Consultoria para recém-formados (e uma campanha genial!)

Certo, você acabou de passar uns bons anos da sua vida numa faculdade e, caso seja gringo, é bem provável que tenha se tornado mocinho(a) e tenha vivido no campus da universidade por todo esse tempo de imersão em apredizado. Agora, você tem de encarar o mundo além dos muros da “facul” e fazer dar certo num mercado de trabalho em crise… Só que toda a experiência profissional que você tem se resume a conhecer o primo de um amigo de  alguém meio influente.

A proposta do Graduate Carreer Coaching é ensinar os recém-formados a interagir corretamente em entrevistas e dar um tapa em seu currículo, além de promover workshops e esse blablabla empresarial super útil. Mas foram os absurdos no “curriculum vitae” de jovens que inspiraram a campanha publicitária genial do serviço americano.
.

Olha só (e clica pra ler direitinho):
.

.

Bem que podia existir uma versão nacional. Consultorias existem várias, mas específicas para recém-formados? Nunca ouvi falar (e se você souber, me fala!).

Apesar de aqui os estágios existirem e (agora) serem  regulamentados, nem todo universitário é agraciado com um emprego de 6 horas diárias no curriculum, então  muita gente acaba saindo da faculdade sem experiência alguma – o que, ao meu ver, é pior do que a situação gringa, já que lá eles não podem trabalhar durante a faculdade, a não ser naqueles empregos de férias.

Entendi o quanto essa situação era impraticável para eles quando conversei com um americano professor da UCLA, em San Francisco. Ele ficou abismado ao saber que eu trabalhava e que ainda tinha tudo regulamentado. Achou um absurdo o governo permitir isso e não entendeu como nós, jovens brasileiros, conseguíamos dar conta…

Bem, em todo caso, talvez este seja um bom serviço para indicar para a protagonista de “Post Grad”, não?

– Vi estas propagandas nos itens compartilhados do reader da Mel, do Supercolors.


ps:
esqueci. Pelo menos nós temos Max Gehringer no Fantástico e de graça! 8)

Deixe seu comentário

Comentários

Comentários via Facebook

Comentários via blog

  1. Não gosto dos americanos, mas eles realmente sabem como fazer algo dar certo! Infelizmente o governo brasileiro não tem a menor vontade de criar uma iniciativa desse tipo, e enquanto isso, a maioria dos recém-formados enfiam seus diplomas embaixo do braço por falta de oportunidade e caem nas graças de profissões que possam garantir seu sustento.

    Em tempo: Fê, o blog de carinha nova ficou uma graçaaaaa! Adorei!

  2. Tem a consultoria Foco Talentos p/ vagas de Trainee, mas para ser trainee precisa ser Macgyver, saber dois idiomas fluentes, ter disponibilidade de horários e p/ viagens ou até morar em outras cidades no Mato Grosso, no Pará, exigem demais dos coitados. Sem falar nos processos seletivos, vc pasa por entrevista,testes em grupo, faz apresentação para um grupo de pessoas, prova de inglês e de raciocínio lógico, uó….

  3. Não sei o que é melhor, mas ninguém aqui é obrigado por lei a trabalhar. Claro que entendo quem TENHA que se sustentar, mas acho legal que possamos entender um pouco melhor o mercado de trabalho antes de nos formar. No Turismo, por exemplo, existem diversas áreas que as vezes nem conhecemos quando entramos na faculdade e só entendemos melhor cada área quando trabalhamos nela. A regulamentação é legal pra forçar empregadores e estudantes a reservar mais tempo para estudar, que no fim, é o mais importante da formação.

    BJos

  4. Eu tô no segundo ano e já tô surtando com falta de experiência (meu curso é integral, não sobra tempo pra trabalhar u.u”).

    Muito legal a iniciativa e as propagandas!

  5. Nossa! Esse negócio de sair da faculdade sem experiência me assusta MUITO!! Tô no 2° ano da faculdade e já tô penando pra conseguir estágio..Me formo em 2 ou 3 anos mas até lá quero ter experiência de sobra! hehe..

  6. pois é… eu fiz estágio durante quase toda a faculdade, mas agora tô desempregada! na vdd eu nao cheguei a trabalhar dp da facul pq to estudando pra concurso! BJS

  7. Cara, BRILHANTE! Tudo que eu queria era uma consultoiria depois de ter me formado. E digo mais: hoje eles só fazem esse serviço pra quem é de outras áreas. Eu sintoMUITA falta de um “guia” pra área da comunicação, artes, etc. Simplesmente NÃO EXISTE! Seria fantástico se a gente pudesse contar com algumas dicas e até um direcionamento de carreira pós-faculdade. Arrasou no post!!!

  8. Geralmetne povo faz estágio e depois é efetivado, o que não fica tão ‘ruim’ na carteira..

    aliás eu acho uma boa, só que como eu trampava já… então resolvi ficar de boa só trampando e covalidei o estágio… mas tenho como exemplo os 4 que moram comigo, os 4 começaram como estagiários.. o mais foda é aguentar o salário :~

    bjo

  9. A grande questão não é a diferença da legislação entre EUA e Brasil.
    Lá a maioria das pessoas que fazem faculdade tem dinheiro pra ser sustentada, já que a maioria das faculdades é paga (e cara).
    Aqui a maioria das pessoas PRECISA trabalhar, precisa se sustentar e ajudar a sustentar sua casa pois a desigualdade social aqui é muito mais profunda, mesmo que alguns gatos pingados com renda até 800 paus (p/ sustentar 3 pessoas ao menos) conseguem entrar em faculdade pública via vestibular ou prouni.

  10. Mas uma consultoria pra recém-formados de todas as áreas (não só adm, economia como é a maioria) é fundamental! Tanto pra área de comunicação quanto a
    biológicas, afinal não pode haver só a opção ser professor ou ficar enfiado em laboratório ;~~

  11. [Comment ID #4535 Will Be Quoted Here]

    o que você falou está corretíssimo! E nos Estados Unidos chega até a ser pior, porque o indivíduo que não tem dinheiro para bancar sua faculdade geralmente nunca vai conseguir fazer uma e acaba se alistando no exército ou obrigando-se a fazer um outro tipo de carreira sem formação alguma.

    O que eu acho que o americano não entendeu é que, teoricamente, eu, como tinha condições de viajar, precisava trabalhar. E o que eu tentei explicar pra ele foi que não era uma questão de necessidade, mas sim de experiência e, enfim, porque não, também recebia uma “mesada” ao final do mês e já ia enriquecendo meu curriculum.

    Acho que o mais importante de existir esse tipo de consultoria é pra orientar recém-formados que saem da faculdade sem saber o que fazer ou sem estarem realmente encaminhados. Tem gente que consegue fazer “contatos” enquanto estuda, mas tem gente que não – às vezes por não ter conseguido uma oportunidade, Às vezes por não ter sido cara de pau o suficiente… enfim!

    Na dúvida, seria melhor ter pra todo mundo, assim como muitos colégios já disponibilizam orientação vocacional.