“Born To Die”: a superprodução de Lana Del Rey

o grande clipe de Lana Del Rey para “Born to Die”

Lana Del Rey é esse fenômeno polêmico que arrebatou a internet, ganhou capa de revista, figurou na lista dos mais cool do ano da NME, fez shows pequenos pela Europa e Estados Unidos com todos os ingressos esgotados, conseguiu tempo de anunciar o primeiro CD para 30 de janeiro de 2012 e lançar clipe com produção foda sem deixar o hype esfriar. Ufa!

Se você não sabe quem é, vale ler o primeiro post, quase um dossiê, que rolou sobre a moça por aqui. Ela é responsável por dois webhits do ano, os clipes de “Blue Jeans” e “Video Games”, que tem carinha caseira e um quê melancólico-misterioso. A música é ótima, a menina é gata e tem um belo vozeirão.

Depois de ganhar a mídia, a primeira superprodução da musa hipster é “Born To Die”, música que dá nome ao álbum. Ao lado de dois tigrões e um rapaz tatuado sujinho e gatinho, a cantora interpreta e mostra que tem bons olhos para trabalhar além da boca.

Apesar de ter sido visivelmente caro, o vídeo é simples, mas tão bonito que chega a hipnotizar. A direção de arte e o figurino perfeitos não erram no tom e, enfim, de uma certa forma era exatamente isso que eu esperava.

A música, que eu já tinha ouvido numa versão ao vivo, repete o sucesso das outras faixas já divulgadas online e já sinto que esse disquinho melancólico vai embalar muito meu 2012. Fazia tempo que um artista não me fazia querer insistir em pegar a letra da música e ficar cantando junto até decorar. Show dela no Brasil, alguém já sabe? hehe

Chega de história e dá o play no clipe da Lana Del Rey:


Moral da história 1: não fume maconha e dirija. Moral da história 2: não beije a hot hot hot Lana Del Rey enquanto você pilota em alta velocidade na estrada. Deadly lips, man!

girl crush total para a_boca em sua primeira aparição vermelhona

Depois desse clipe simples e bem produzido e do visual das flores na cabeça assumido, muito bem explicado e esteticamente ótimo, só queria saber fazer tutoriais de maquiagem para copiar esse make old Hollywood dela e mostrar pra vocês. Minha esperança é que Julia Petit o faça. Faça, Julia. E nos ensine também a aumentar a bocona. Pls, tks.

ps: e enquanto estou aqui escrevendo isso, a dona Lana estampa a capa de mais duas revistas e ainda posa para um editorial na V Magazine de janeiro, tá bom pra vocês? Senta e aguenta esse hype!

Deixe seu comentário

Comentários

Comentários via Facebook

Comentários via blog

  1. sei lá… eu fico tensa com essa história toda. não porque não acho válido alguém se produzir pra fazer sucesso (porque eu acho e muito!) mas porque não entendo o não assumir da coisa. gaga é gaga porque simplesmente falou “curto mesmo, e daí?”. pop é isso, é se reinventar, se vender (no bom sentido). essa coisa de colocar uma capinha indie/hipster pra ganhar audiência normalmente não surte bom efeito porque indies e hipsters normalmente não curtem serem taxados de “seres normais como qualquer outros”. hehehe. falo com conhecimento de causa… ;)

    como eu disse, sei lá. curto o som, mas não consigo ter um relacionamento de “amo” com ela. tenho que ver como vai desenrolar.

    beijos!

  2. Tô nem aí se ela é “fabricada pela gravadora”, ela é linda e canta muito! E o que você falou ali é muito verdade: o clipe é hipnotizante, como todas as aparições da Lana. Ela prende o olhar da gente. Ansiosa pelo lançamento do primeiro álbum dela!

  3. Putz, mas o povo é muito chato mesmo né?!
    Eu também não to nem ai se ela fake ou não!
    Adoro as músicas, o visual e até o bocão! kkk
    Enquanto as músicas me inspirarem e ela continuar com essa voz meio rouca e esse visual diva, eu to gostando.
    beijoooos,
    Mary

  4. Lana Del Rey é sua cara haha
    O clipe é realmente muito bom por todos os aspectos que você já falou, e realmente ela é simplesmente hipnotizante! Pra mim a descoberta da Lana aqui pelo blog foi a dica musical do ano (:

    :*

  5. Eu já assisti esse vídeo pensando nas resenhas que leria sobre ele nos blogs, haha. Concordo com o que você disse sobre ele ser hipnotizante. Eu descreveria o negócio todo como “muita informação”, mas num bom sentido: tem o make incrível que todas quer copiar, tem cenas hot, tem um cenário meio barroco e tem até tigres do lado da moça! Superprodução que deu certo, música que vai tocar no replay por um bom tempo ;]

  6. [Comment ID #12466 Will Be Quoted Here]

    Ai Bárbara, que bom que você curtiu! Pra mim, foi quase impossível não falar dela – e se duvidar, ainda vem muito post! rs

  7. [Comment ID #12462 Will Be Quoted Here]

    Então, Carol, mas a Gaga é tão construída quanto. Ela tem um time pensando em tudo e ajuda a pensar também, é claro. O que me incomoda na Gaga (e é uma questão que não me incomoda na Lana) é que ela não tem vida pessoal e não é uma “persona”. Só existe personagem. Gaga é Gaga 24h por dia.

    Repare que uma das únicas artistas pop que não é notícia por sua vida pessoal é ela. Por exemplo, ela precisa apoiar causas e precisa se vestir de formas malucas para chamar a atenção e se manter em alta, já que a música (infelizmente) não mantem ninguém o tempo inteiro na mídia.

    A Gaga não briga com ninguém, não troca de namorado, não aparece sem maquiagem, dificilmente fala de sua vida sexual… enfim. Ela é a personagem do palco sempre e vive para seus fãs, o que a meu ver é até um pouco triste, porque personagens tem um fim, o sucesso tem um fim e pessoas tem histórias mais profundas.

    Ela teve um passado com bullying. Ótimo. Já sabemos disso e ela já usou isso em suas músicas. Agora o que mais? Repare que até esse tipo de história dela sabemos poucos detalhes.

  8. Faz tempo que estou para ouvir a tal da Lana Del Rey, desde que vi uma notinha na Revista Gloss. Mas o tempo foi passando, uma coisa aqui, outra ali (correria louca) e esqueci. Até twittei para que eu mesma me lembrasse, mas nem assim adiantou.
    Que bom que você fez esse post e me lembrou de ouvi-la/vê-la, Fê. Farei isso right now!

  9. Não só acabei de assistir vários vídeos, como fui atrás de fotos e mais informações sobre a queridinha/odiadinha da vez. Amei e fiz um post sobre ela no Luxo Básico (linkando pra cá que foi minha inspiração, claro). Quanto a esse negócio de ficar reclamando que as cantoras pop (ou quaisquer cantores) são fabricadas é booooring, vamos combinar?
    Mesmo que sejam fabricados, e daí? Toda figura pública precisa de uma produção, divulgação, um tantinho de polêmica, seja na vida pessoal ou artística.
    Falei um pouco disso no post sobre a Kesha lá no Heresia: http://www.interney.net/blogs/heresialoira/2011/11/01/kesha/

    beijões

  10. [Comment ID #12496 Will Be Quoted Here]

    aê! que bom que curtiu! hahah Vc viu o primeiro post que eu fiz falando sobre ela? tb? Lá eu expliquei toda essa história e, enfim, é muito boring achar que ela é montada para os indies. E as outras que são montadas para o pop? E as bandas de rock que são montadas para um público alvo x também? Vide Kiss, Slipknot e até o Kings of Leon que sofreu uma puta repaginada no visual. rs