“Skyfall”: o melhor Bond da nova era, e talvez de outras eras também

50 anos de Bond e em boa forma!

Na trilha de outras séries de ação que tentam cada vez mais humanizar os protagonistas, “Skyfall” segue a tendência e faz um retorno ao passado para compreender o presente e avançar para o futuro, um clássico em termos de narrativa. Mas nem todo clássico precisa ser banal.

O novo filme da série tem menos sexo, só um martini batido e apenas uma sequência de ação grandiosa à la 007, e ela é logo de cara, então preste atenção o máximo que puder. Dali por diante, outras cartas são colocadas na mesa: a idade do herói, sua capacidade, a aposentadoria e até sua índole.

Enquanto Daniel Craig vive o mocinho que se vê obrigado a voltar às raízes que sempre renegou para se sentir seguro, Javier Bardem é o vilão Silva, um ex-agente secreto que resolve se vingar por ter sofrido as consequências de um acordo político. Silva é a antítese perfeita para Bond, mas o interessante mesmo não é a pintura cartunesca que Bardem deu ao papel, mas sim o fato de que os dois tem a mesma origem: “as sombras”, como a chefe M gosta de dizer.

É claro que quem tem um passado pouco importante e nada a perder pode realmente mudar de lado a qualquer momento, algo que praticamente não foi colocado em jogo (se é que foi!) em outros filmes que vi do agente inglês. Até ele tem suas questões, até ele tem seu lado vilão, algo que Daniel Craig mostrou e muito bem. Finalmente entendi porque lhe deram esse papel.

De todos os filmes da franquia que vi (comecei com Pierce Brosnan), “Skyfall” é o melhor disparado e não duvido que ganhe de outros filmes até de outras eras. Aqui a tecnologia parece muito simples perto da complexidade da experiência e a verdadeira Bond Girl ganha ares maternais e definitivamente não é a garota com quem ele toma um drink. Mil desculpas, aliás, mas Bérénice Marlohe é uma coadjuvante das mais coadjuvantes e tem menção honrosa apenas por portar muito bem um vestido longo.

“Skyfall” veio para mostrar que a franquia tem vida longa e que mesmo sendo um bom e velho filme do Bond, tudo pode ser diferente, afinal até o 007 chora.

vida longa ao Bond!

Deixe seu comentário

Comentários

Comentários via Facebook

Comentários via blog

  1. Me deixou ainda mais ansiosa pra assistir! Também não vi todos Bonds, mas com certeza o Daniel Craig é ótimo (só conseguiu ser melhor ainda em Millenium).
    E o Javier Bardem (no texto tá Javiel) é SEMPRE incrível, pena que nesse papel perdeu metade do charme por ser loiro =(

  2. Eu gostei muito da trama e das revelações, mas quando a gente vai ver 007 espera ação, sexo e escapadas gloriosas (para alguns, “marmeladas”). E nesse não teve muito de nada disso! Pouca ação, a Bond Girl (bem mediana) tem leve participação e some, e o Bond não está totalmente awesome em suas escapadas. Mas talvez fosse pra ser assim, mais história e menos ação, mesmo.

  3. Honestamente o Javier Bardem, deve ter visto uns videos no youtube do Clodovil para fazer esse vilão, porque está muito parecido e hilario rsrs. Tirando a palhaçada sim o filme é muito bom.