Lady Gaga, você arrasou em São Paulo! Mas por favor tire a máscara e bote a banda no palco!

Gaga e a moto-piano em que ela entoou “Hair” e “You and I”; a foto é de um show em Bangkok

Lady Gaga demorou, mas veio ao Brasil. O show foi divulgado em cima da hora, muita gente não pôde ir por já ter quebrado o porquinho para a Madonna e as liquidações de ingressos começaram, assim como as piadas. Eu, que comprei meu ingresso humilde lá no começo, fiquei chateada e revoltada com a situação de ver que poderia ter comprado um ingresso melhor gastando a mesma quantia, mas bola pra frente. Os organizadores pelo menos conseguiram levar o povo pro estádio: 50 mil pessoas ouviram os hits da turnê “The Born This Way Ball”.

Cheguei horas antes no dia do show e vi o esquenta de Lady Starlight e The Darkness, que aliás botaram o povo na pilha certa pra chegada de Gaga. O atraso da cantora foi mínimo, quase que só uma “esperadinha” pra ver se a chuva que caía no Morumbi dava uma trégua, e deu.

Foram quase três horas de apresentação e Lady Gaga entregou o que muita popstar ficou devendo aqui no Brasil: um show longo, apaixonado – ou muito em ensaiado – e uma voz fiel ao álbum, que de fato alcança as notas ao vivo. Faltou, no entanto, aquele momento do “choro” coletivo que senti nas apresentações que vi de Madonna e Katy Perry, por exemplo.

Essa hora de proximidade ficou para o momento em que os fãs subiram ao palco e deram presentinhos para a cantora, mas não senti que a emoção abraçou todo o estádio. Eu, pelo menos, me senti invadindo um momento íntimo demais para o meu gosto – isso porque talvez eu já tenha ouvido muitas vezes o “discurso monster” de outras formas e por outras vozes e ele não tenha nenhum significado específico para mim.

Apesar deste porém, Gaga tem sim um diferencial em relação a outras concorrentes da atualidade: ela realmente não precisa da parafernalha do espetáculo para funcionar. E digo mais: ela deveria dispensar mesmo esses adereços de vez em quando (se dispensasse também um pouco do discurso, seria adorável, mas entendo que vem daí a paixão e a obsessão dos fãs).

Gaga adora o figurino de carne, a maquiagem de monstrenga e os saltos maluquetes, mas dá para ver claramente que ela não é tão boa no quesito dança ao vivo, por exemplo. Então para que tanta coreografia? Ela pode se dar ao luxo de entregar a tarefa para os dançarinos e dançar vez ou outra, se for o caso. Sua voz sozinha já domina o palco e dá conta do espetáculo, portanto seria melhor ouví-la menos ofegante.

Prova disso é a apresentação de “You and I”, o melhor momento do show, quando a banda sai dos confins do cenário e toma frente junto com a cantora e seu vozeirão. Depois deste, os melhores momentos certamente foram “Americano” (o arranjo ao vivo é pesadão e bem mais interessante que no disco), “Judas”, “Alejandro”, “Telephone” e “Electric Chapel” (outra que também fica excelente ao vivo com as guitarras a todo volume).

Por outro lado, achei que “Born This Way” foi desperdiçadíssima logo no começo. O hit que dá nome a turnê veio depois de duas canções sem muito push, “Highway Unicorn” e “Government Hooker”, e pegou as pessoas um pouco de surpresa.

Ao fim da noite, percebi que gostei muito. Lady Gaga fez um belíssimo show. Só gostaria de pedir para a cantora deixar as máscaras em casa da próxima vez: estas 50 mil pessoas saíram de casa no domingo para ver o rosto da Mother Monster em carne e osso.

.

ps: aproveitando o ensejo, dá uma olhada nessa demo de uma música nova da Lady Gaga. Dá sim pra fazer coisa boa sem esses vícios de pop comercial.


Deixe seu comentário

Comentários

Comentários via Facebook

Comentários via blog

  1. Eu tava lá ontem e concordo com você! Ela é muito boa e pode tranquilamente deixar de lado um pouco desse “espetáculo” do show. Pode, mas será que deve? Acho que as pessoas estavam ali pra ver o espetáculo mesmo, elas amam isso. A gente que tem uma visão mais distanciada espera um pouco mais de “show normal”, mas não se pode negar que ela deu aos fãs exatamente o que eles queriam na noite de ontem. :)

    1. [Comment ID #16900 Will Be Quoted Here]

      Ahh com certeza!
      Só acho que a boa música às vezes sai prejudicada nessa dança. Tudo foi um pocuo entrecortado e corrido. Gostaria de ter ouvido mais de algumas canções, não só 1’30”. E é essa a fórmula de um espetáculo pop, mas não de um bom show de música. rs Talvez ela pudesse equilibrar mais e assim conquistar mais gente.

  2. Fã que é fã vai para ver o melhor da cantora. Não faz críticas e não julga. Fã que é fã quer vê-la do jeito que se veste sempre, e não quer vê-la tirar a máscara e se transformar em outra pessoa por comentários inúteis dos outros.

    1. [Comment ID #16902 Will Be Quoted Here]

      Eu adorei o show, Jéssica, e vi o melhor dela também. Eu paguei o meu ingresso, gosto dela e da obra e estou livre pra fazer meus comentários. Não sei se você leu o post – ou só o título – e ficou incomodada. Acontece.

  3. Fernanda,

    eu amei o show e concordo plenamente com vc. A Gaga é boa demais e poderia utilizar menos recursos de “distração”, eu acho.

    1. [Comment ID #16904 Will Be Quoted Here]

      Sim! E acho que ela é a única cantora pop que PODE fazer isso. Talvez seja um próximo passo, uma próxima “reinvenção”: se mostrar mais “naked”. rs

  4. Não pude ir pq estourei o cofrinho com o show do Kiss, mas eu não esperava que ela fosse “menos” que nos álguns gravados.
    Enfim… Como sempre, os organizadores e T4F brochando a todos num show que poderia ser tudo de bom, e que poderia ser muito menos frustrante. Eu mesma me perguntei “e quem comprou o ingresso antes dessas promoções todas?”. E quem comprou antes disso tudo acontecer geralmente é quem curte música no geral e fãs da Lady Gaga. Ou seja, total sacanagem com um público fiel.

    1. [Comment ID #16905 Will Be Quoted Here]

      Exatamente! Quem encheu o estádio foi gente de promoção, mas os fãs mesmo se ferraram. E o estádio encheu, mas a pista vip tinha um belo de um buraco…

  5. Fê, essa música que você colocou no fim do post é, na verdade, de um rapper chamado Kendrick Lamar. A Lady GaGa ia participar da música, mas não rolou por causa do prazo que a gravadora deu pro Kendrick liberar o CD. Dá uma conferida na versão do álbum: http://vimeo.com/51947545
    Beijos, bom feriado!

  6. Então, essa colaboração da GaGa não tá “finalizada” ainda, é só uma demo, que não rolou de ser gravada de verdade pro álbum do Kendrick Lamar porque não deu tempo. Tanto que o Kendrick lançou o CD sem a GaGa mesmo e um tempo depois ela publicou esse vídeo. Ele diz que até se surpreendeu (positivamente) de ela ter liberado a demo, porque tá bem caseirona e ele achou que ela ia guardar pra ela..

  7. Acho que a Gaga que fez um show pra mim foi diferente da que fez um show pra você.
    Quando eu vi o show na semana em que lançou o clipe de Born This Way em Boston ela foi magnífica. Não sei se talvez ela esteja um pouquinho acima do peso ou cansada pra não dançar muito, mas ela SE ACABOU no show. Outra parte que gostei muito foi quando ela ligou pra alguém da platéia (deve ter sido falso, mas foi fofo) e falou com ele, conversou, perguntou nome e etc e depois começou cantando Telephone. Foi sensacional.
    Ela também falava muito e sempre educada, feliz, engraçada. Não sei qual foi a diferença de um show, além da turnê que também mudou, mas achava que seria assim aqui no Brasil. :(

    1. [Comment ID #16966 Will Be Quoted Here]

      Oi Tany!
      Mas ela foi sim super espontânea e realmente arrasou! Em que parte do texto vc sentiu que foi diferente? Eu apenas fiz sugestões, pois acho que ela é a única artista pop que bancaria isso hoje em dia…

  8. Acho que não dá pra dar reply na sua mensagem? :(

    Acho que entendi errado, mas parecia que ela estava menos “empolgada” e carismática durante a apresentação dela. O que, por um lado, pode até ser porque ela não tá tão boa como na época em que eu a vi. Opinião pessoal, óbvio. Quem sabe com o cd novo e eu concordo contigo, ela é uma artista pop que bancaria as sugestões que você fez diferente de muitas por aí.

    1. [Comment ID #16969 Will Be Quoted Here]

      Então, eu achei ela super espirituosa, mesmo, divertida, engraçada e ela tava até “vaidosa” em ver o estádio inteiro só pra ela. Mas eu me incomodo demais com o discursinho dela, do be yourself e tal. Ela tá dando muita ênfase a isso nessa fase mais avançada de”born this way”.