Mixtape do coração partido: músicas para curar o fim de um amor

Ah, o amor! Esse sentimento tão delicioso e precioso quanto devastador. Como lidar quando um relacionamento acaba? Quem mais poderá estar ao seu lado para te confortar em todos os momentos se não uma boa música? Pois é isso: uma seleção de músicas para superar, fase a fase, o coração partido. Em que degrau você está? Traga a caixa de lenços, dê o play e segure firme: isso vai passar.

.

Nível 1: O término

“A Strange Arrangement”, Mayer Hawthorne

A notícia é um baque: o outro lado já não quer mais ou você finalmente toma a decisão de falar o que já vinha remoendo há algum tempo. Uma briga pode ter sido a causadora, uma traição ou só o tédio do dia-a-dia mesmo. Não importa: é a hora dos pratos limpos, de chorar, de conversar, tentar entender e virar as costas para algo que, de tão íntimo, se tornou estranho.

 

Nível 2: A negação

“Big Jet Plane”, Angus and Julia

Você não acredita que isso aconteceu com você. Nega até a morte. Até esquece do ocorrido, afinal você está morrendo de saudades e acredita piamente que a pessoa vai ligar daqui a 5 minutos para irem jantar no restaurante favorito de vocês. Você tem certeza que em algum momento o parceiro vai se tocar que cometeu um erro e voltar. E se foi você quem tomou a decisão, aqui é aquela hora em que você rói todos os dedos possíveis pensando se tomou a decisão certa. Se ele aceita se você pedir de volta. Se isso não era apenas uma crise. Se, se, se…

 

Nível 3: A humilhação

“Cryin'”, Aerosmith

Você se arrependeu da decisão ou você não aceitou a decisão alheia, não importa: aqui é aquela hora em que você mandaria até um telegrama legal para chamar a atenção do ex, você está disposto a fazer qualquer coisa para ter seu amor de volta. Você pode encher o carro de flores, aparecer de surpresa em qualquer lugar que a pessoa esteja, mandar mil e um presentes, chorar em público, no bar, na balada, no quarto, na cozinha, na sala… É a fase da humilhação pura e simples, porque aqui no nosso caso não vai dar grande resultado, mas faz parte do processo. Ah sim: também estão inclusas ligações e SMS’s pós-bebedeira.

 

Nível 4: A melancolia

“Canção para não voltar”, A Banda Mais Bonita da Cidade

Você tentou de tudo para voltar e não deu. O que importa é que as lágrimas já secaram e você se sente sem forças. Acabou mesmo. Finito. É aquele momento de luto real: melhor ficar em paz em casa e decidir o destino das fotos no seu mural. Você vai rasgar, queimar ou guardá-las numa caixinha, onde doem menos?

 

Nível 5: O fim do mundo

“Love Hurts”, Joan Jett 

É aquela fase com clima de “alcoólicos anônimos”: você vive um dia de cada vez, procurando pequenos motivos para sair da cama e sorrir, mas a verdade é que pra você tudo parece mesmo um grande pandemônio. Especialmente nas causas do amor: você tem certeza que não vai se apaixonar de novo, que o amor é um sentimento ruim, que machuca a gente, que só rima com dor, que todos aqueles casais de mãos dadas no metrô vão se separar… Por aí vai.

 

Nível 6: A pegação

“Esta Noche”, Azealia Banks

Já que o amor não presta e ninguém é certo, por que não se entregar aos errados? A pegação é parte importantíssima do processo, é diversão sem preocupação. Aliás, digo com plena certeza que todo mundo passa pelo menos por essa fase. Se não rodar a banca, o próximo relacionamento estará fadado ao insucesso.

 

Nível 7: Foi melhor assim

“Used to Love Her”, Guns ‘n Roses

Depois de se divertir com gente interessante, o relaxamento vai entrar em cena e de alguma forma você vai pensar que foi melhor assim. Você vai ver características legais em tantas pessoas diferentes que pode até passar a duvidar se aquilo, algum dia, foi realmente um “big deal” na sua vida. A situação ideal desta fase é quando você supera o ódio do ex e passa a quase “se odiar” por ter continuado investindo num relacionamento que já não estava dando certo.

 

Nível 8: A calmaria

“Next To Me”, Emeli Sandé

Você saiu, observou o mundo, tirou uma série de conclusões e agora é o momento de parar e ver o que vai fazer com elas. A calmaria é importante pra descobrir o que você quer pra você, quem quer ter ao seu lado – e, aliás, se quer ter alguém do seu lado tão cedo. Nesse ponto, já dá até pra adicionar o ex de volta no Facebook. Se houvesse um mantra aqui, ele seria a famosa frase de Nietzsche: “o que não me mata, me fortalece”.

Nível 9: Amor de “verão”

“Brutal Hearts”, Bedouin Soundclash

Verão ou não, é agora que uma paquera ou outra podem ganhar espaço sério na sua vida – e o clima vai esquentar, pode acreditar. Talvez uma das pessoas interessantes que você conheceu se sobressaia, te chame pra jantar e muita coisa tenha mudado deste então, especialmente o clima. É o momento de muita passione: você vai dar aquela “ficadinha séria”, vai se sentir mais seguro pra investir e, se for moça, certamente vai investir em novas lingeries.

Mas digo já: o “dar certo” aqui é por tempo limitado. Sua jornada ainda não se completou e seu amor de verão pode ser um estepe e um companheiro que vai te levar apenas até o próximo e último nível de superação.

 

Nível 10: Amor próprio

“Velha e louca”, Mallu Magalhães

Parabéns, você cumpriu todo o roteiro: sofreu, chorou, se humilhou, pegou geral, relaxou, achou que estava apaixonado, viu que era só carência. Agora é que vem, afinal, o grande desafio: aprenda a se e amar e a ser uma boa companhia pra si mesmo. Seu motivo para levantar e sair da cama tem que dizer respeito apenas, única e exclusivamente a você e não a sua família, aos bons costumes ou a promessas feitas embaixo dos lençóis. Taí a lição mais importante de todo esse jogo. Boa sorte!
.

*Agora que tal ouvir todas essas músicas numa tacada só? Dá o play – e deixe aí sua lista, fazfavor!

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

*Fake-Doll adverte: ninguém pode sofrer para sempre. Se o seu término te tirou a vontade de viver, de comer, de se divertir e encontrar os amigos, vale a pena procurar uma ajuda profissional. 

Deixe seu comentário

Comentários

Comentários via Facebook

Comentários via blog

  1. Fernanda, seu timing foi perfeito!
    Tô vivendo todas essas fases misturadas…
    E realmente, se relacionar é importante, mas sem esquecer de si mesmo!
    Obrigada hehehe :)

  2. Há um pouco mais de um ano vivi o que julguei ser o pior término da minha vida e comecei a me afastar de tudo que me lembrava dele e voltei a visitar mais blogs e lembrei do Fake Doll, que foi o que mais me ajudou, pois conheci novas músicas de diferentes gênero, Nicola Roberts, por exemplo, e o Mixtape de julho/2011 foram as melhores coisas. Eu e ele gostamos muito de heavy metal e essas coisas e conhecer outros tipos de música me ajudou a não lembrar. Sou muito grata, de verdade, a você que, mesmo sem saber, me ajudou a recompor a minha vida! Tks :D

    1. [Comment ID #17069 Will Be Quoted Here]

      Poxa, Bárbara! Que bom que te ajudou de alguma forma! Espero que você já esteja 100%! ;) É muito dif[icil quando tudo o que a gente gosta vem carregado de lembranças doloridas. Não dá pra parar de gostar das coisas, e o jeito é mesmo adquirir novos “amores”, como você fez – pelo menos nossa capacidade de amar é infinita! :)
      Beijo e espero que vc continue por aqui! =*

  3. Infelizmente, nem todas as meninas chegam a esse ciclo completo antes de conhecerem a próxima pessoa que muitas vezes não é correnta.
    Eeeenfim, dei o maior sorriso com a música da Azaelia porque estava ouvindo ontem e pensei a mesma coisa. Sem contar que é uma das minhas favoritas da mixtape. <33

    1. [Comment ID #17101 Will Be Quoted Here]

      É uma delícia essa música, né? Acho muuucho swingada! HAHAHA <3
      Eu geralmente acho que se a pessoa não fecha o ciclo, o relacionamento dela VAI DAR errado. Posso estar sendo xiita, mas eu mesma aprendi isso na marra.