Garotinho aprende desde cedo que dá para ter estilo sem gastar muito

A primeira reação ao ver essas fotos é gritar AWN! na frente do computador. A mamãe Collette Wixom deve ter percebido o potencial do filho de apenas quatro anos e começou a compartilhar na internet o estilo de Ryker num blog e num instagram. Preciso nem dizer que ambos bombam a cada post, né?

Para fazer as fotos, Collette se inspira em lookbooks de grifes ou editoriais de moda masculinos bem adultos e “hackeia” o estilo para o filho usando peças de marcas mais em conta, como GAP Kids, H&M e Zara. No instagram, a descrição do usuário “MiniStyleHacker” vai direto ao ponto: “Você não precisa ser rico para ter estilo!”. Não mesmo! E, ainda bem, já tem gente aprendendo cedo a lição…

Imagina esse rapazinho no futuro? ;)

.

Leia mais

Uma ilustração linda por dia

doses de fofurice

O projeto não é novo, mas continua lindo. O ilustrador Limg Heng Swee, de Kuala Lumpur, lançou o “Doodle Everyday Project” e colocou em seu site uma ilustração linda por dia.

Os desenhos são feitos para a gente sentir o coração aquecido e nos permitir sonhar um pouquinho mais. Achei ótimo para sorrir nesta segunda-feira chuvosa:
.

 

Leia mais

Personagens do avesso

e essa cavidade ocular avantajada?

Desde que assisti pela primeira vez o desenho “O Menino do Avesso“, ou algo assim (alguém lembra?), passei a ter uma fixação boba de saber como seriam os personagens da ficção por dentro. Não sou nem um pouco adepta de carnificina, sangue ou cenas fortes, mas sempre pirei que isso poderia ser algo fofo, se fosse devidamente bem feito.

Para tornar meus sonhos de piveta realidade, esta semana conheci o trabalho de Jason Freeney, designer e artista plástico que não só faz quadros de anatomia de personagens fofinhos, quanto esculturas de seus corpinhos por dentro:

.

Para quem gostou, no blog dele tem mais. E eu quero esse pequeno pônei a-go-ra!

Sobre Michael Cera e “Paper Heart”

Se existe uma musa indie, ela é Zooey Deschanel. Agora se existe um muso indie, ele é Michael Cera.

Não lembro quando exatamente foi meu primeiro encontro com o rapaz, creio que foi numa sessão pouco aconchegante de “Juno” no HSBC da Consolação com a Paulista. O filme não me agradou lá grandes coisas, mas o jovem papai e a trilha sonora me deixaram um tanto quanto curiosa.