A Era dos Games: os melhores (e mais malucos!) jogos da exposição em São Paulo

Já pensou em visitar uma exposição que conte toda a história dos videogames e ainda tenha tudo disponível para você jogar? Fui visitar aA Era dos Games e registrei essa viagem no tempo num super vlog recheado com os destaques do evento. São mais de 150 jogos de todas as épocas e em perfeito estado – um passeio ótimo pra quem adora jogos retrô mas não dispensa testar as novidades!

A exposição fica em cartaz na Bienal em São Paulo até dia 12 de novembro e vale a visita! Além dos jogos retrô, as novidades também estão presentes, como diversos óculos de realidade virtual e até mesmo o novo videogame da Nintendo, o Switch.

Dá o play e aproveita para se inscrever no canal  e receber os vídeos primeiro!

Para ver outros vídeos já publicados, clique aqui.

 

 

Games x filmes: por que tantas adaptações dão errado? Um papo com a Nat Kreuser!

Estamos cansados de ouvir que “o livro é sempre melhor que o filme”, mas… Não só isso nem sempre é verdade, quanto no mundo do entretenimento outras variantes entram em jogo, por exemplo no caso dos games! No último vídeo do canal, comento com a minha amiga e youtuber Natalia Kreuser sobre adaptações polêmicas de jogos para o cinema e o porquê de muitas delas darem tão errado – ou tão certo!

Falamos de “Detona Ralph”, “Pixels” (já rolou resenha aqui!), “Tomb Raider”, “Mortal Kombat” e muitos outros… E, claro, também discutimos quais jogos deveriam virar filmes e quais filmes mereciam bons jogos! E você, qual seu filme de jogo/jogo de filme favoritos?? ;)

Dá o play e se inscreve no canal para receber os vídeos primeiro! ;)

Para ver outros vídeos já publicados, clique aqui.

 

A Barbie desenvolvedora de jogos chegou ao Brasil; vem ver o unboxing!

Lembram quando eu comentei em junho sobre a Barbie Game Developer? Pois ela finalmente chegou ao Brasil, bem a tempo do dia das crianças! Os preços variam entre R$70 e R$80 reais e é fácil de encontrá-la online. No Walmart/RiHappy ela custa R$74,90, por exemplo.

 

Como eu já sabia que essa era uma boneca que eu ia querer ter, mesmo não sendo uma ~colecionadora~, acabei comprando a minha na gringa e gravei um unboxing bem especial para vocês, mostrando todos os detalhes da boneca. Esta Barbie faz parte da coleção de profissões da Mattel e certamente é um passo importante para mais meninas se interessarem por tecnologia. Quisera eu ter brincado com uma assim na infância! :’)

Dá o play e se inscreve no canal para receber os vídeos primeiro! ;)

Para ver outros vídeos já publicados, clique aqui.

 

Games da BGS 2016 para jogar já já e um passeio pelo evento!

Esta semana acaba de rolar mais uma edição da Brasil Game Show e estive lá para jogar, gravar e trazer os jogos-desejo que chegam já já e podem até te convencer a comprar um videogame neste fim de ano! ;)

Antes da lista, dá o play neste vlog superespecial que gravei no evento, com direito a reviews, entrevistas e um pouquinho do clima geral, tudo feito com carinho até mesmo para quem nunca foi a um evento assim!


Dá o play e se inscreve no canal para receber os vídeos primeiro! Para ver outros vídeos já publicados, clique aqui.

#Gamerblood: Xbox Brasil quer incentivar a doação de sangue

Uma campanha super legal de Xbox promete unir os gamers por uma boa causa e estou super feliz em poder participar dessa campanha e convidar vocês também! Aproveitando a chegada da Brasil Game Show, que acontece entre os dias 1 e 5 de setembro em São Paulo, a empresa convida os jogadores de todo país a se engajarem na #GamerBlood e doarem sangue.

Além de ser uma ótima ideia para ajudar os bancos de sangue que estão sempre precisando de doadores, é um jeitinho de tentar ganhar um ingresso para o evento – quem não quer, não é mesmo?

gamerblood2

Amiga, por que você ainda não joga videogame? 13 motivos para começar agora!

Jogo videogame desde criança e trabalho com esse mercado há uns bons anos. Mas, engraçado, muitos sabem disso não porque lêem o blog, mas porque me seguem em outras redes sociais. Por algum motivo, este assunto tão importante na minha vida não era tão presente por aqui, mas definitivamente está na hora de mudar as coisas!

Embora hoje eu conheça muitas (muitas mesmo!) meninas que jogam, digamos que demorei um tempo para sair desse armário, tudo única e simplesmente porque não tinha companhia. Das duas, uma: ou eu era a excluída na turma dos meninos ou a esquisitona entre as meninas. Legal, #sqn. 

Ao mesmo tempo em que fui percebendo que não precisava de companhia nenhuma para fazer algo que me divertia e me dava prazer, o cenário foi mudando. Hoje falo de boca cheia que me orgulho demais em ver uma timeline recheada de mulheres que, como eu, adoram jogar e não estão nem aí para quem torce o nariz para isso. Se você leitora não entende do que estou falando e morre de curiosidade de saber o que tanto prende as crianças no youtube, então tá na hora de passar a mão no joystick mais próximo e experimentar. ;)

Amiga, por que você ainda não joga videogame? 13 motivos para começar agora!

gamesgirls

‘two girls play videogames’ via shutterstock


1.
Jogar é divertido, desestressante e desafiador. E, sim, vamos começar com motivos bem bestas mesmo, mas ainda assim necessários. Chegar de um dia difícil do trabalho e distribuir headshots nos inimigos vai fazer você se sentir ótima e super útil para o seu time. Não se preocupe com o que vão pensar, simplesmente divirta-se.

 2. Não é ‘coisa de menino’: games são feitos para pessoas, assim como filmes, livros ou qualquer outra forma de entretenimento. Apesar de que, enfim, se existem jogos até para gatos… Talvez realmente não devamos colocar limites ou ter preconceitos aqui, certo?

catgame

3. As mulheres não estão sozinhas nem são a minoria nesse mercado. Pesquisas recentes já comprovam que a porcentagem entre homens e mulheres que jogam está cada vez mais próxima. Outro estudo mostrou que, entre o público adulto nos Estados Unidos, são as mulheres que mais possuem seus próprios videogames. 

4. Videogame é coisa de gente grande: no conteúdo e na prática. Por anos a indústria e seus marketeiros deixaram bem claro seu foco no público masculino e jovem, mas as coisas mudaram um bocado, meus caros. Atualmente, por exemplo, já são mais mulheres adultas jogando do que moleques adolescentes. Fora isso, boa parte dos grandes lançamentos recebe classificação 18+. Sobre isso, vale lembrar: se o seu priminho anda jogando algo violento demais, é bom dar aquele toque para a família reparar na classificação indicativa de cada jogo. Todos precisam deixar isso bem claro na embalagem e há jogos adequados para todos os públicos.

Leia mais