Imagens da(s) semana(s)

Com a confusão da troca de servidor semana passada, além de dias extremamente entediantes, acabei ficando sem postar as “imagens da semana”. Então vamos falar logo desta última semana, que bombou muito mais!

Schmap: Roma e Veneza

Lembram-se que eu tinha mais duas fotos concorrendo a entrar no Schmap Guide de Veneza e no de Roma? Pois sim, elas foram aprovadas! O mais divertido é que na foto de Roma eu apareço, portanto quem clicou a foto, na real, foi a Lari! Vejam:

Você pergunta, google completa.

Apesar de o Google estar transmitindo imagens de Marte ao vivo (não percam! Muita animação por lá!), ele ainda não tem todas as respostas. Mas de uma coisa ninguém duvida: ele dá espaço para todas as perguntas!

Sabem aquele recurso de “completar” a frase que está sendo digitada na caixa de pesquisa? Pois é. Eu vi no Update or Die algumas “perguntinhas” em inglês e não resisti em ver o que os brasileiros andam perguntando por lá:

Madonna: a rainha chegou!

5 segundos de silêncio para eu pedir desculpas por isso aqui não ser um blog de cultura pop e celebridades.

Eu tinha apenas 5 anos quando este cometa passou por aqui pela primeira vez. Na época, ela tinha 35. Eu não sabia quem cargas d’água era essa mulher. Madonna tinha apenas 5 álbums lançados e nenhum filho. É para felicidade geral da nação que aviso, em êxtase, 15 anos depois:

Obama: nasce um ícone pop.

Ele é o primeiro presidente negro da história dos Estados Unidos. É a representação norte-americana do desejo de mudança. Ele já é e será por mais quatro anos (se tudo der certo) o homem mais importante do mundo. Ele tem 47 anos e está conservadíssimo. Madonna cantou para ele. Ele ganhou seu próprio game Super Obama World. Ele é Barack Obama. Ele é um ícone pop.

No dia seguinte à eleição, sua foto foi publicada em jornais mundo a fora, dezenas deles, na verdade. Não resisti e selecionei as minhas capas favoritas, considerando que cada jornal seguiu uma linha diferente para representá-lo. Olha só se ele já não é pop e multifacetado:


Um homem de visão, Obama pop-art, Um  bom líder, um bom pai (ele é casado, tem filhos?!), Quem disse que não dá para fazer política sorrindo?, I had a dream…, Não dá pra ser fotogênico sempre.

Christina Aguilera: por que?

Eu gosto da Aguilera. Tenho três cds dela. Tenho mp3s dela. Mas, já vou logo perguntando, afinal de contas, que clipe é esse, deusdocéu?

A Aguilera lançou “Keeps gettin’ better” semana passada e eu, com a correria, só me lembrei de assistir hoje. Apesar da apresentação dela no VMA ter copiado escraxadamente o figurino da Britney na Onyx Hotel Tour, a música é bacaninha, batida boa, ótima pra se jogar na buatchy e bater cabelo. Mas oi? A única coisa que eu consigo pensar enquanto assisto esses três minutos de tortura é “WTF??!”. Dá vontade de fechar os olhos e só ouvir.

Alice in Wonderland

Eu sou fã. Sou fã da obra de Lewis Carroll, sou fã das ilustrações dele. Sou fã do Tim Burton e da sua maluquice poética. Sou louca pelo Johnny Depp e admiradora fiel do trabalho dele. Agora, eis que a Disney finalmente irá lançar uma versão cinematográfica à altura da obra literária e com ninguém menos que o diretor mais indicado e mais suficientemente genial para isso. “Alice no País das Maravilhas”, por Tim Burton: como eu poderia não falar?!

Tim Burton é famoso pelos seus filmes nonsense, muitas vezes com um mórbido bom humor, como é o caso de O Estranho Mundo de Jack e Noiva Cadáver. Em 1990, Johnny Depp era um ator que ainda caminhava rumo ao sucesso, com apenas 5 filmes no curriculum. Neste ano, ele e o diretor se conheceram e filmaram Edward Mãos de Tesoura. Daí em diante, os dois colecionam sucessos: Ed Wood, A Lenda do Cavaleiro sem Cabeça, o remake de A Fantástica Fábrica de Chocolate, A Noiva-Cadáver e o musical (excelente!) Sweeney Todd: o Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet.