It’s Britney comeback! – o dossiê

Agora aguenta. Minha bitch favorita está voltando e eu vou ver a bitch-mãe-diva em dezembro, com direito à vídeo da bitchzinha no telão, feito exclusivamente pra Sticky & Sweet Tour. (Abrindo um parênteses gigante: não contei da minha aventura pelos ingressos aqui, reservei todo esse drama e aflição para o twitter e assim como quase todo mundo, blablabla, eu odeio a Tickets4Fun, blablabla, passei a noite acordada pra comprar, blablabla, fiquei aflita, blablabla. Mas recebi o e-mail da confirmação e a empresa dos infernos já me ligou pra confirmar que sim, eu adquiri ingressos e eles serão devidamente entregues em casa, blablabla. Fechando parênteses.)

Britney Spears, meus queridos, finalmente irá lançar seu sexto álbum. E eu que sou fã da loira desde pivete e tenho todos os fucking cds dela, só posso comemorar! O cd terá o nome de “Circus” e só pode ser uma referência explícita ao que andou rolando na vida pessoal dela antes desse grande comeback no VMA. Depois de anos de carreira, apresentações e indicações para o astronauta de prata, ela finalmente levou três estatuetazinhas pra casa: vídeo do ano, melhor vídeo feminino e melhor vídeo pop para “Piece Of Me”.

Britney stronger?

Britney fez um showzinho de 13 minutos em San Diego, esta quarta, dia 2 de maio (que era pra ser supresa, mas os fãs decobriram antes que seria a própria Spears que estária na casa de shows House of Blues).

Apesar de curto, é o primeiro show que a cantora fez em 3 anos e, principalmente, é sua primeira aparição artística desde a saída da reabilitação. De peruca e com um figurino sexy, porém chinfrinho, ao meu ver, ela subiu aos palcos e levou o povo ao delírio.

Eu que sou fã e vi via Youtube, estou achando o má-xi-mo e torcendo para que ela volte. Pode ser até que ela não cante tão bem assim, que ela dance mais do que cante, que ela queira imitar a Madonna, enfim, não me importo: eu amo a Madonna também e para mim, atualmente, continua não havendo uma perfomer párea para ela.


Britney cantando Toxic no House of Blues. E dá-lhe peruca!

Yeah!

Consertei meu computador! E não perdi nada. A torcida sorri aliviada: uhh! _o/ hehe

Essa semana eu li “Alice no país das maravilhas”, do Lewis Carroll. Ok, aparentemente o livro é para crianças, mas vos digo: não necessariamente. Quem diria que a menininha Alice, originalmente, gosta de ter dupla personalidade e briga consigo mesmo a todo momento no livro? Certamente isso não é lá uma leitura apenas infantil. Talvez seja como Pequeno Príncipe (e todo mundo diz isso que eu vou dizer, mas eu nunca li): as crianças podem ler à vontade, mas se um adulto lê, vai entender muito mais mensagens do que uma criança.

Alguém vai comer Jesus na Páscoa? Os católicos de carteirinha realmente deveriam ter mais senso de humor, ou aceitar uma coisa chamada “licença poética”.

Mulher de Malandro.

Devido ao meu descontentamento com relação ao futuro do país definido no último domingo, resolvi que precisava escrever alguma coisa – não só porque isso realmente me imcomodou, mas porque eu realmente andava falando apenas do meu mundinho aqui e ainda estava sumida.

Mais quatro anos de Lula. Sou indiferente com relação a pessoa dele, mas certamente ele não é o mais adequado para o país, na minha opinião. Não que o outro candidato favorito fosse e, na verdade, para que algo mudasse nessa porra precisaríamos trocar todos os atores, uma vez que são as pessoas que constroem este sistema burocrático, complexo e inacessível, embora tentemos esquecer disto.

Então, eu olho pro lado. Vejo quem é que está disposto a alguma coisa: ninguém. A verdade é que “a massa pensante do país”/”a elite intelectual”/blablabla reclama e jamais fará alguma coisa. No entanto, há os “poderosos” (digo, desde empresários até os próprios políticos que, tcharam, geralmente também o são) que, movendo um dedo, poderiam mudar algo, porém, isso não lhes soa tão interessante quanto mandar os filhos estudarem na França, passar férias no sul da Itália e depois voltar e continuar a lucrar com certas situações.