Tá com as séries em dia? Como administrar tanto entretenimento na nossa vida?

Se você é como eu, vive se perguntando como arranjar tempo para jogar mais videogame, como conseguir ler mais livros ou como conseguir se organizar para não ficar atrasado com os seriados. É claro que falta tempo para todo mundo e é angustiante essa nossa necessidade de assistir tudo o tempo todo, mas… Tenho algumas dicas para melhorar tudo isso!

Para os viciados em série, recomendo se organizar com o aplicativo TV Showtime, que recomendo no vídeo (e não, não é #publi, só é bem bom mesmo! kkk). Dá o play para ver outras “técnicas” e dificuldades que sempre rolam! Aproveita e se inscreve no canal para receber os vídeos primeiro!

13 fotos incríveis da Women’s March nos Estados Unidos

Logo após a confirmação da eleição de Donald Trump como presidente dos Estados Unidos, muitas mulheres dos Estados Unidos começaram a se organizar para uma grande marcha após a posse. A princípio, o evento aconteceria em Washington, mas foi ganhando uma enorme proporção e o que se viu no último final de semana foi uma verdadeira maratona de mulheres por todo país reivindicando seus direitos e também zelando pelos negros e imigrantes. Além de ter contado com uma multidão de americanas ‘comuns’, muitas celebridades também saíram de casa para discursar, cantar e levantar cartazes. A continuidade de projetos de planejamento familiar e o respeito às diferenças deram o tom das reivindicações.

Um pouco de como foi a manifestação em diversas cidades você confere nas imagens a seguir, que dispensam apresentações. É realmente impressionante ver a força do movimento e a importância de pessoas públicas levando a mensagem mais longe.

womens-march(1)

Cerveja de mulher é a que ela quiser!

No primeiro vídeo de 2017, quero propor uma conversa sobre o quanto nós mulheres curtimos cerveja e o porquê das marcas ainda não reconhecerem isso de forma legítima. Ou pior: tentarem “reconhecer” de formas tortas, lançando produtos que pressupõem que mulher só gosta de cerveja leve, pouco alcoólica e afins. Afinal, cerveja forte é pra macho, não é mesmo? NÃO! 

belarecatadac

Vamos falar sobre isso e um pouco mais! Vem ver o vídeo e compartilha com suas amigas que também adoram uma cerveja gelada – nesse calor então…! Que delícia! Só lembrando: quem se inscreve no canal recebe os vídeos primeiro! ;)

Como foi minha primeira aula de crossfit?

É impossível se manter alheio ao crescimento da #famíliacrossfit. Quer dizer, se você usa o Instagram, certamente já viu fotos de grupos inteiros sarados, suados e treinando com belos cachorros ao lado. Se você mora numa grande cidade como São Paulo, além das fotos você já deve ter visto a quantidade de boxes de crossfit que se espalham sem freio pela cidade. Ah é, eles têm esse nome: ‘boxes’. Todos sempre lotados de gente treinando e, em alguns dias, até correndo e dando berros e voltas pelo quarteirão carregando uns troços pesados. Mas o que raios é isto?

Eu que já treino há bons anos, como vocês sabem (inclusive estou devendo uns updates aqui, mas vamos por partes), já imaginava do que se tratava e ainda morria de curiosidade. Crossfit é uma espécie de treino funcional super intenso que também mistura rotinas de força vez ou outra, por isso em todo box você tem barras, anilhas e objetos variados que parecem ter saído de uma sala de musculação comum. O treino nunca é igual: cada dia uma proposta e com elementos de “gamificação”. O timer fica rolando no fundo, você tenta concluir o mais rápido possível e se estimula a bater metas pessoais, além de acabar rolando um desafio entre os coleguinhas de turma.

Embora eu tenha ido numa aula teste com outros youtubers amigos e tudo tenha sido super legal, é um ambiente bem competitivo e heteronomativão, o que pode ser estimulante para muitos, mas pode também ser um motivo para afastar outros. Mesmo assim, acho que é o tipo da coisa que só se descobre testando! Por isso, fui lá fazer o teste na Movimentum Crossfit, na Santa Cecília em São Paulo, e matei um pouco da minha curiosidade!

Uma retrospectiva pessoal: 16 coisas que aprendi em 2016!

Revendo meus próprios posts, percebi que 2015 não foi um ano bom, mas certamente 2016 conseguiu superar qualquer expectativa de “vai dar merda” que eu poderia ter tido. Enfim, o ano está acabando e pelo menos pode-se dizer que aprendemos alguma coisa em meio a todo o caos proporcionado pelo fluxo energético do universo. Sim, foi em meio à crise que eu fiz mapa astral pela primeira vez. Sim, foi ótimo para mim – e talvez uma das coisas mais interessantes do ano, pois a partir disso pude entender todos os memes astrológicos que a internet nos deu. rs

Sem mais delongas, vamos ao vídeo #sincerão:

 

Uma vida normal não tem (muita) graça

Há uns dias atrás eu estava com vontade de chorar de tanto cansaço. O sentimento virou vídeo e resolvi tirar uma semana para fazer somente o mínimo necessário para minha convivência em sociedade – o que incluía respirar, me alimentar, trabalhar e fazer meus exercícios físicos. Esses aí que poderiam ser além do mínimo para a maioria das pessoas, mas que garantem minha sanidade, física e mental. E assim foi: cinco dias sem me preocupar com produzir roteiro, editar vídeo ou vir aqui postar alguma coisa. Aliás, só de escrever essa última frase já tenho vontade de vomitar uns 394893 posts que tenho na cabeça mas simplesmente não tenho tempo de desovar. O vídeo e o Youtube, meus amigos, são sugantes demais. Especialmente se você também trabalha, estuda… Enfim, especialmente se você tem uma vida normal em paralelo acontecendo e boletos chegando.

Dei essa pausa por pura necessidade de organização, mas me peguei no meio da semana tendo um bilhão de ideias e anotando – o que foi ótimo! -, mas ao mesmo tempo percebendo o quanto viver assim, sem produzir nada além do esperado de mim enquanto adulta & cidadã de uma cidade grande, é chato. Não me leve a mal agora: muitos bilhões de pessoas vivem assim e são felizes, completas, plenas, com sua rotina, sua família, suas coisas todas… Eu, não. Eu preciso de 500 milhões de coisas acontecendo ao mesmo tempo para não morrer de tédio. Mesmo que eu reclame disso na sequência.