Forquilha, comida que aquece: Imagens da Semana

Para ver tudo o que já contei nesta tag, clique aqui.

Se no verão a gente procura lugares para comer ao ar livre aproveitando a brisa quente da noite, no inverno queremos justamente o contrário: um ambiente quentinho, confortável e aconchegante. Ah: e se tiver boas opções de vinho e formas diferentes de serví-lo além da tradicional garrafa completa, melhor ainda.

Encontrei tudo isso no Forquilha, em Pinheiros. O cardápio tem uma boa seleção de massas além de muitas opções para os amantes da comfort food. O ambiente, escurinho e acolhedor, fica completo com  um grande forno à lenha logo ao lado do bar. Nele são executados muitos pratos da casa, como as lasanhas.

Vídeo – Tô jogando: PvZ Garden Warfare

.

Ninguém imaginava que o próximo vídeo viria tão rápido, não? No de hoje, conto um pouco do jogo que ganhou meu coração e tá dominando meu Xbox One: o “Plants vs. Zombies – Garden Warfare”. Para quem não sabe, é a versão para videogames daquele jogo incrível de celular e tablets, o “Plants vs. Zombies”.

Rex Restaurante, para comer e beber até tarde: Imagens da Semana

Para ver tudo o que já contei nesta tag, clique aqui.

Um dos jeitos mais espertos de se escapar do caos da cidade é adotar um horário alternativo. Dá para evitar um pouco do trânsito, do pico do transporte público e até mesmo da fila do cinema – chegar e comprar o ingresso sem preocupação é luxo para poucos em São Paulo! O problema é quando alguns serviços da cidade não acompanham o ritmo de quem já adotou um horário diferente para viver.

Quer exemplos? Bares e restaurantes com cozinhas que fecham, impreterivelmente, à meia-noite. E o que dizer dos lugares que nem abrem aos domingos à noite para o jantar? Não sou ninguém para aconselhar donos de restaurantes, mas nestas horas, mesmo estando na maior capital do país, o público se sente numa cidadezinha do interior.

“O Futuro de Nós dois”: e se você pudesse ler pedacinhos do seu futuro daqui a 15 anos?

booktrailer de “O Futuro de Nós Dois”

O ano é 1996, muitos estão comprando seu primeiro computador pessoal e a AOL é o provedor de internet mais popular dos Estados Unidos. Um CD deles na mão e pronto: você está conectado e pode criar a primeira conta de e-mail da sua vida. Emma e Josh são amigos de infância prestes a experimentar a web pela primeira vez, mas por algum motivo aleatório do universo, eles conseguem acessar o Facebook dali 15 anos. Ao lerem pedaços de suas vidas e das vidas de seus amigos postados em atualizações de status, os dois passam a mexer com o presente tentando melhorar a vida no futuro.

A premissa de “O Futuro de Nós Dois”* é assim um tanto fora da caixinha, mas a relação entre presente e futuro criada pelos autores, Carolyn Mackler e Jay Asher, é interessante e até verossímil. A partir do momento em que os dois personagens ficam vidrados com o que vai acontecer daqui uns anos, vão aos poucos se esquecendo do presente e preferem tomar atitudes para serem felizes só depois.

É claro que não fica explicado porque eles conseguem acessar o Facebook, o que é uma licença poética bem ok, mas não dá para entender como uma das personagens simplesmente desiste de investigar como ela consegue “ver” o futuro na internet. Emma resolve pesquisar o assunto, mas no maremoto de emoções causadas pelo “oráculo” online, acaba deixando pra lá. Não sei vocês, mas acho que isso me intrigaria mais do que o futuro, algo tão volátil. rs

Leia mais