7 coisas em 7 anos de Twitter

Você acredita que o Orkut foi durante 10 anos o site mais acessado do Brasil? Pois é: realmente não parece que ficamos tanto tempo presos ao mesmo sistema, à mesma rede social, para nos comunicar online. Os últimos dois anos já estavam uma completa “várzea”, é verdade, mas a falta de opção fazia a gente ficar.

Em 2014, opção de rede é o que não falta e muito me espantou quando recebi um e-mailzinho do Twitter me parabenizando pelos sete anos de uso da rede. Sete anos! Caramba! E ainda não me vejo, nem de longe, abandonando o site ou incomodada com alguma mudança recente – ao contrário do Facebook, que parece estar espantando todo mundo ao espremer os usuários até o último centavo.

.

imagem via

O passarinho do “What are you doing?” está bem vivo e digo agora as 7 coisas mais legais que continuam alimentando o fogo dessa paixão!

.

7. O novo perfil

Depois de muito tempo com uma interface sem gracinha, a grande novidade da vez é o design diferenciado para as páginas de perfil. Já que estamos na era da selfie, nada mais justo que exibir o avatar dos usuários num tamanho mais digno.

6. Você sabe o que é bom para você

Sua timeline nunca será infestada pelas opiniões da irmã da prima da sua tia se o irmão do seu cunhado der um like por acaso e o site achar aquele conteúdo relevante para você. Você escolheu seguir aquele usuário? Ele aparece. Você não escolheu? Ele só pode aparecer via retwit. E olhe lá: o unfollow e o block são de simples operação e serventia da casa.

5. O choro é livre

Já são alguns anos de Twitter e há um grande fato que envolve a rede: mesmo sendo gigante, ela não é popular entre todas as faixas etárias. Por isso mesmo, é bem provável que você não precise fazer contatos “por obrigação” na rede ou precise ficar explicando para sua tia porque fez aquela piada, o que significa aquele meme e… ZzZz.

4. A propagação

Fez uma boa piada? Deu um “furo”? Postou uma foto de um flagra? Não importa: no mesmo instante, alguém pode repostar e o conteúdo irá se espalhar instantaneamente. Sem delay, sem atraso, sem hierarquização.

3. A concisão

A objetividade  dos 140 caracteres é das coisas mais geniais das interwebs. Quem tem tempo de ler todos os textos gigantes (e às vezes desnecessários) postados em outras redes e sites? Seguir um Twitter bacana pode ser, sim, um bom jeito de se informar das manchetes para daí decidir no que se aprofundar de verdade.

2. Um lugar para conhecer gente

Sejamos sinceros: quem adiciona um completo desconhecido no Facebook para paquerar? A chance de dar errado é bem grande, certo? O mesmo não acontece no Twitter: por ser mais impessoal, a rede permite uma aproximação mais suave via reply que, quem sabe, pode render um follow, depois uma DM… Funciona!

1. Continua lindo.

A quantidade de pessoas ouvindo ou clicando pode ter até caído ao longo dos últimos anos, mas a rede continua sendo um excelente espaço para mobilização rápida e organização de conteúdos por assunto. É essa a especialidade do Twitter: a selfie do Oscar que o diga!

.

Aplicativo Social Fashion

manda seu post incrível pra gente!

Esta semana estreou um projeto super legal da Boo-Box do qual faço parte, o Social Fashion! O objetivo é divulgar posts sobre moda e lifestyle dos blogs brasileiros entre tuiteiros interessados no assunto.

Ao acessar o aplicativo, você pode mandar sua sugestão de link ou pode autorizar o aplicativo a divulgar links de moda bacanas no seu perfil do Twitter. O melhor disso? Eu e a Lia é que somos as moderadoras. Estamos recebendo vááários links legais e pretendemos divulgar blogs que amamos e também blogs novos que precisam daquela forcinha amiga!

É simples assim: se você tem um blog e fala sobre moda ou conhece um blog que merece ser divulgado, manda suas sugestões de posts lá pra gente e dá um toque! Os mais legais são aprovados e aparecem entre vários perfis no Twitter da galera que já está usando aplicativo.

Eu, é claro, já tô usando e dá até pra escolher de quanto em quanto tempo você quer divulgar uma notícia nova. É uma ótima saída também pra galera super ocupada que nem sempre tem tempo de tuitar links legais.

Espero que vocês curtam – e usem – a novidade! ;)

Seu twitt vale um livro

troquei meu twit pelo livro “Now Playing”, de Shellie Zacharia, recomendado na revista “Nylon”

A editora independente Keyhole teve uma ideia genial: em tempos de twitts pagos, por que não vender e-books em troca de publicidade no Twitter?

Diretamente de Nashville, a editora norte-americana envia um arquivo em .PDF dos livros para todos aqueles que resolverem comprá-los com uma twitadinha. Na página deles você encontra todos os livros do catálogo podem ser adquiridos assim; eu baixei este à direita:


.

As obras fazem parte do catálogo super selecionado da editora e não são, digamos, best-sellers. Mas a iniciativa é excelente e, por um twitt, você pode acabar descobrindo a próxima J.K.Rowling antes de todo mundo! E claro: se a leitura não embarcar, você ainda pode comprar outro livro com 140 caracteres! ;)

.

Desencontro 2011 em fotos

painel sobre webcelebridades: @tchulimtchulim, @mbottan, @aleferreira, @twittess, @fabiorex e @lucasfamapop

No fim de semana passado fui para Fortaleza com uma galerinha muito louca da internet para o Desencontro 2011, um evento para discutir internet no maior clima de curtição e sessão da tarde. Tô falando assim porque, olha, rolou até depressão generalizada pós-clima de acampamento, de tanto que as pessoas se divertiram e se uniram por lá!
.

E se as redes sociais estivessem no colegial?

social media high school

Se há um tempo atrás nossa vida se resumia em checar scraps no Orkut, hoje o próprio fica de lado diante de tantas outras opções – e melhores opções. Para os fãs de música, há last.FM, MySpace, Hype Machine. Para os fotógrafos e “aspiras”, Flickr, Tumblr e Instagram. Para os blogueiros, WordPress, Livejournal, Blogger e muitos outros. Para quem fala pelos cotovelos, Twitter. Para quem não tem paciência para nada disso, Facebook. E, claro, para todos os mortais, Google e Wikipedia.